Metais: aperfeiçoamento constante

Cada vez mais os consumidores buscam num mesmo produto praticidade, design e uso racional dos recursos naturais: “Os monocomandos evoluíram. Já é possível regular a temperatura máxima a fim de evitar acidentes com água muito quente”, afirma Jackson Heinzler, coordenador de assistência técnica da Docol. Diante das  inovações, como escolher uma torneira? Veja alguns fatores fundamentais.

1. Verifique a pressão da água no local. “Bicas com saída de água alta não combinam com pressão intensa, pois podem gerar respingos. Já os monocomandos convencionais exigem pressão mais elevada”, alerta Roberto  Negrete, designer de interiores de São Paulo. Antes de comprar, cheque a pressão mínima. Se perceber posteriormente que o modelo não é compatível, recorra aos pressurizadores e redutores de vazão. “Podem ser instalados pelo próprio usuário”, diz Marco  Milleo, diretor de desenvolvimento de produto e marketing da Deca.

2. Para qualquer tipo, analise a relação entre o metal e a cuba. “Lembrese que a saída de água deve coincidir com a posição do ralo, caso contrário o jato espirrará”, explica a arquiteta paulista Luciana Buono.

3. No caso dos misturadores de parede, siga a altura – distância do ponto de água em relação à mesa – indicada pelo fabricante.

4. Peça desenhos dimensionais (com medidas totais do produto), manual de instalação e dados sobre garantia.